UFSC Sustentável
  • Cartilha e manual de combate ao Aedes aegypti na UFSC

    Publicado em 25/11/2019 às 12:37

    A Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC e a Comissão de Combate à Dengue divulgam dois documentos importantes para guiar toda a Universidade no combate ao mosquito Aedes aegypti. Eles se somam à amplitude de materiais voltados para o tema, contudo, seu diferencial está no ponto focal: a UFSC.

    O primeiro é o Manual de Prevenção e Combate ao Aedes aegypti na UFSC, traz conteúdo acessível à todos os públicos, contudo foi produzido com a preocupação de indicar aos servidores da UFSC os caminhos administrativos de execução, tais como contratos disponíveis, setores de acionamento e contatos gerais.

    O segundo, a cartilha, que pode ser acessada aqui, informa os principais locais na UFSC que podem ser considerados criadouros e alerta toda a comunidade a ficar atenta quanto aos sinais indicativos de água parada, mesmo que não visível, e as ações que podem ser tomadas.

    Não deixem de acessar, ler e compartilhar!

    Estas medidas fazem parte das ações estratégicas de conscientização para o combate a dengue na UFSC. No estado de Santa Catarina, até o dia 09 de novembro do corrente ano, segundo boletim   28/2019 da diretoria de vigilância epidemiológica, já são 25.747 focos positivos do Aedes aegypti em 184 municípios. Comparando ao mesmo período de 2018, observa-se um aumento de 85% no número de focos detectados. No mesmo compasso, já são 1.898 casos de dengue confirmados no estado, sendo destes, 1.698 autóctones, ou seja, que foram gerados aqui dentro de Santa Catarina.

    No Brasil a situação não está muito diferente. O número de casos de dengue aumentou quase 600 vezes até setembro deste ano, 7 vezes mais quando comparado à 2018.

    Para o Biólogo da Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC, Allisson Castro, isso mostra a extrema necessidade de se buscar novas estratégias tanto para o combate direto ao mosquito, quanto para informar e conscientizar a população do seu papel nesta luta, que é contínua. É de fato uma luta de vida ou morte.

    No mês de novembro entramos em período crítico. As chuvas frequentes associadas ao calor são fatores delineadores das condições ideais para o desenvolvimento do Aedes aegypti. Contudo, este ciclo pode ser enfaticamente interrompido por ações simples e já conhecidas à muito tempo: evitando-se descartar ou manter materiais que acumulem água parada (limpa ou não) disponíveis ao mosquito.

    Acessem a página www.evitedengue.ufs.br e conheça mais sobre as situação atual do estado de Santa Catarina e as ações da UFSC no combate ao Aedes aegypti.


  • É lançado no CCA o livro ‘Desenvolvimento sustentável na produção agroalimentar’

    Publicado em 22/11/2019 às 15:23

    livro-214x300

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo

    No dia 05 de novembro, foi lançado o livro Desenvolvimento sustentável na produção agroalimentar (Desarrollo sostenible en la producción agroalimentaria), no Centro de Ciências Agrárias  da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

    Os responsáveis pelo lançamento foi o professor Marciel Stadnik, a pós-doutoranda Aline Velho (UFSC) e a professora Susana Zorrilla (UNL, Argentina).

    O livro aborda diversos temas de caráter regional, já que os 18 capítulos foram escritos por especialistas sul-americanos que integram o Comitê Agroalimentar da Associação de Universidades Grupo Montevidéu (AUGM).

    A versão eletrônica da obra está disponível nos links abaixo:

    http://labfitop.paginas.ufsc.br/livros/

    http://grupomontevideo.org/publicaciones/libros/


    Fonte: https://noticias.ufsc.br/2019/11/livro-desenvolvimento-sustentavel-na-producao-agroalimentar-e-lancado-no-cca/


  • Certificação Digital ICP-Edu e ICP-Brasil

    Publicado em 22/11/2019 às 9:32

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo 

     

    Agora a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) fornece os certificados em um novo formato, o digital através do EduID, gratuito para todas às instituições de ensino. 

    Segundo a Portaria Normativa 276/2019/GR, de 18 de setembro de 2019, assinada pelo atual reitor da Universidade, Professor Ubaldo Balthazar,  a Certificação Digital (ICP-Edu) é um ambiente seguro e sem custo algum para toda a comunidade acadêmica, tais como: TAEs, Docentes e Discentes da UFSC. 

    Só há uma forma de emitir os certificados on-line, que é por meio da Infraestrutura de Chaves Públicas de Ensino e Pesquisa. ICP-Edu garante a validade na Federal de Santa Catarina e em todas as entidades aderentes ao programa, assim como a autenticidade e confidencialidade às operações realizadas por meio dele no ambiente virtual, amparado pela Portaria Normativa 276/2019/GR/UFSC. Desta forma, é possível realizar muitos procedimentos virtualmente através da plataforma, assim sem a necessidade de tramitação física entre os departamentos ou imprimir documentos. 

    O sistema tem como objetivo instituir e disciplinar o uso de Certificação Digital e sua utilização na Universidade, garantindo a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica e das aplicações que utilizem certificados digitais. 

    Além do ICP-Edu, o EduID conta também com o ICP-Brasil; onde o certificado digital é emitido na Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira. Assim como o ICP-Edu, o ICP-Brasil também garante a validade jurídica, a autenticidade, confidencialidade e integridade em sua plataforma, amparado pela MP 2.200-2/2001. 

    Com ele é possível realizar vários procedimentos virtualmente e assim não necessitando o deslocamento até órgãos governamentais e de empresas, ou até mesmo a impressão de documentos; mas só quem pode utilizá-lo são as seguintes categorias: Reitor, Vice-reitor, Pró-reitores, Ordenadores de despesas, Servidores da UFSC com necessidade de acesso ao SIGEPE, SIAPE, SIGAC, SIASS, SIAFI, SCDP, ComprasNet, e outros no âmbito do Governo Federal. 

    A seguir será mostrado o passo a passo de como emitir os seus certificados de forma digital pelo EduID: 

     

    1. Acesse http://p1.icpedu.rnp.br

     

    1. Clique em <Certificado> e selecione a opção <Emitir>

    1

     

    1. Selecione <UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina> e clique em <Prosseguir>

    2

     

    1. Informe seu idUFSC (utilize o e-mail institucional sem @ufsc.br. Não utilize CPF ou outra identificação) e clique em <Login>

    3

     

    1. Mantenha as opções selecionadas e clique em <Aceitar>

    4

     

    1. Confira seus dados e crie uma senha para seu certificado digital eduID – ICP-Edu no campo <Senha para o PKCS#12>

    5

     

    1. Clique no botão <Download do Certificado> para baixar o arquivo em um local que consiga encontrar posteriormente em seu computador                        6                                        
    2. Associe seu Certificado Digital eduID – ICP-Edu ao idUFSC na nuvem da UFSC para poder assinar documentos online utilizando o Assina UFSC

    8.1. Acesse http://assina.ufsc.br , informe seu <idUFSC> e clique em <Entrar>                              

    7

    8.2. Clique em <Certificados> e em seguida selecione a opção <Meu eduID>                     

    8

    8.3. Na aba  <Associar eduID> clique em <Localizar Certificado>, localize o certificado digital p1 emitido na ICP-Edu (o nome do arquivo possui um padrão “SAEC P1 – <Seu Nome>.p12“) e informe a <Senha do eduID> e clique em <Associar eduID à minha conta>                                                                                                                

    9

    8.4. Pronto! Agora seu certificado digital eduID – ICP-Edu está associado ao seu idUFSC na nuvem da UFSC. Basta acessar http://assina.ufsc.br para assinar digitalmente documentos com seu certificado digital eduID – ICP-Edu

    Como assinar um documento “PDF” digitalmente usando o Assina UFSC online?

     


  • Relatório de Sustentabilidade

    Publicado em 22/11/2019 às 9:14

    A elaboração de Relatórios de Sustentabilidade tem sido uma das ferramentas utilizadas pelas organizações para relatarem a sociedade como o seu desempenho está afetando o meio ambiente e a sociedade, e o que se tem feito para corrigir eventuais danos e/ou ampliar efeitos benéficos. 

    Resumidamente, o Relatório de Sustentabilidade pode ser entendido como um documento que tem, por objetivo, medir e divulgar os impactos socioambientais causados pelas atividades cotidianas de uma organização, no caso a UFSC.

    Porque o padrão GRI – Global Reporting Initiative?

    A Global Reporting Initiative – GRI propõe diretrizes para que os Relatórios de Sustentabilidade sejam um modelo-padrão internacional, com objetivo de que se tornem tão rotineiros quanto são os tradicionais relatórios financeiros ou de gestão. Para isso, reúne, atualmente, uma rede de milhares de especialistas, de dezenas de países que contribuem para o seu desenvolvimento.

    As organizações públicas, como a UFSC, não tem tradição na produção de informações sobre os impactos causados por suas atividades. Objetivando mudar esse quadro a Coordenadoria de Gestão Ambiental iniciou, em 2017, esforços para elaborar o Relatório de Sustentabilidade da UFSC, o primeiro foi lançado em 2017 e dizia respeito as operações de 2016 e estava focado nos impactos ambientais. Logo a seguir, em 2018, foi publicado o relatório referente a 2017, dessa vez inclui também impactos sociais. Finalmente, em 2019 é lançado o relatório de 2018 completo, agora com impactos ambientais, sociais e econômicos.

    relatório

    _________________

    ¹ Organização sem fim lucrativos. Foi fundada em Boston em 1977 pela Coalition for Environmentally Responsible Economies – Ceres e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA.


  • Relatório do Perfil de Consumo da Água da UFSC

    Publicado em 20/11/2019 às 8:41

    divulgaçao relatorio_2

     

    Perfil de Consumo de Água da UFSC

    Por Eduarda Matté e Lidiane Mayer

    O projeto de extensão Plano Simplificado de Melhorias do Sistema de Abastecimento de Água e Conscientização do Uso Racional de Água na UFSC lançou no mês de Abril de 2019 um questionário online para toda a comunidade acadêmica, com objetivo de caracterizar os usos diretos de água em todos os campi da UFSC.

    O relatório traz as análises das respostas enviadas, que contou com 2.363 participantes no questionário.  Foi possível estabelecer um perfil de consumo de água para a comunidade universitária utilizando os valores estimados, sendo 10,45 litros per capita por dia para usos diretos, e 4,06 litros per capita para usos indiretos, totalizando 14,51 litros por pessoa por dia na UFSC. Os resultados obtidos fornecem à universidade informações para planejamento e gestão de água.

    Ainda, com os comentários voluntários dos entrevistados obtidos pela pesquisa online foi evidenciado quais são as maiores demandas da comunidade universitária a respeito do consumo de água na UFSC.

    Gostaria de saber mais detalhes sobre o relatório? Clique aqui para ter acesso a versão completa do documento.


  • Palestra Lei de Biodiversidade

    Publicado em 18/11/2019 às 16:54

    A Pró-Reitoria de Pesquisa – UFSC tem o prazer de convidá-los para a comunicação mencionada abaixo na imagem, na qual o analista ambiental do IBAMA, Bruno Barbosa, versará sobre a Lei de Biodiversidade. O tema ainda abordará o sistema SISGEN, entre outros aspectos que competem ao Ibama, e que são relevantes para a produção acadêmica brasileira.

    A palestra está ligada à Sepex 2020, que ocorrerá em abril, e à Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Será providenciada certificação aos participantes, aguardamos a sua presença, cordialmente.

    O quê? Palestra sobre a Lei de Biodiversidade

    Quando? 28 de novembro, quinta-feira, às 14:00

    Onde? Auditório Henrique Fontes, bloco B, CCE

    Quem? Bruno Barbosa, analista ambiental, representando o Ibama – SC

    Clique aqui para acessar o evento no Facebook e para maiores informações.

    Palestra sobre Biodiversidade


  • Enactus UFSC Florianópolis

    Publicado em 18/11/2019 às 16:48

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo 

    enactus ufsc florianópolis

    Em março de 2017 surgiu a Enactus na Universidade Federal de Santa Catarina. O nome vem de uma junção das iniciais em inglês da frase: entrepreneurial action for others creates a better world for all of us; que significa “ação empreendedora para os outros cria um mundo melhor para todos nós“.

    Para o projeto Enactus ser realizado é necessário um vínculo com a Universidade, com a Instituição Acadêmica, além de ser cadastrado na Enactus Brasil e Enactus Mundial. A Enactus na UFSC surgiu com a professora Patrícia Fonseca Ferreira Arienti, do CSE, com a função de coordenadora do projeto; e a primeira constituição foi formada por alunos da Universidade que não se conheciam e se encontraram pela primeira vez dentro do projeto. Bruno Borges, vice-presidente da atual gestão, destaca a importância para os alunos de assumir responsabilidades na gestão Enactus.

    Segundo a atual presidente Gabriela Vardanega e o vice-presidente Bruno Borges, o principal objetivo do projeto é impactar vidas, melhorando a qualidade de vida de todas as pessoas que participam dos processos. Bruno ainda destacou que as ações são desenvolvidas com às comunidades e não para às comunidades, desta forma, é importante que as pessoas que estão envolvidas façam parte de todo o processo de criação, estruturação, das ideias e dos propósitos das ações. “Queremos que a comunidade tenha senso de pertencimento, ou seja, que ela construiu aquilo que está sendo realizado, que ela construiu esse projeto, ela que idealizou”, esclarece o atual vice-presidente.

    Para toda a atual gestão é importante que haja esse senso de pertencimento, porque por meio dele cria-se a sustentabilidade, e a sustentabilidade faz com que eles não precisem mais da Enactus. Sendo assim, o objetivo final do programa é que a comunidade saiba  todos os passos que precisam ser dados para que eles continuem sozinhos depois.

     

    Talvez Obra Enactus

    Foto: arquivos Enactus UFSC Florianópolis

    A Enactus possui três pilares fundamentais e que sempre estão presentes em suas ações, o social, o econômico e a ambiental, “claro, nenhum dos nossos projetos deve impactar negativamente o meio ambiente, ele precisa gerar economia, aumentar o lucro daquela comunidade e ser um projeto social; um projeto para eles e deles” explicou Gabriela Vardanega.

    Um dos projetos que mais tem ganhado visibilidade dentro da Enactus/UFSC, é o projeto Ecovassoura, ele surgiu da possibilidade de reciclar garrafas pets e criar uma vassoura ecológica. Ela acaba sendo um pouco mais barata que a vassoura convencional que se encontra em mercados e etc.

    A comunidade utiliza as garrafas PET e depois utilizando uma máquina para cortá-las é possível confeccionar às ecovassouras; “um dos viés (sic) do projeto seria talvez entrar em contato com órgãos que utilizam vassouras para fazerem limpeza de ruas, de casas, para trocarem essa vassoura convencional pela vassoura ecológica.” complementa Gabriela.

     

    Ecovassoura Enactus

    Foto: arquivos Enactus UFSC Florianópolis

    Ainda de acordo com Gabriela, a Enactus chega, vê a demanda da comunidade, mas nem sempre a comunidade tem um problema e uma solução, às vezes tem muitos problemas, mas com base nos três pilares a Enactus tenta resolver todos eles.

     

    Equipe Enactus

    Foto: arquivos Enactus UFSC Florianópolis

    Para obter mais informações sobre a Enactus, acesse os endereços abaixo:

    http://enactus.ufsc.br/

    https://www.facebook.com/enactus.ufsc/

    https://www.instagram.com/enactus.ufsc/


  • UFSC e Nissan testam reaproveitamento de baterias usadas do LEAF em iluminação

    Publicado em 18/11/2019 às 11:33

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo

    Carros elétricos são uma aposta certa para um futuro com menos uso de combustíveis fósseis, e o meio ambiente agradece. Mas por outro lado podem representar uma nova ameaça, já que as baterias desses carros, além de serem o componente mais caro desse tipo de veículo, também são compostas de metais e químicas com potencial de prejudicar o meio ambiente.

    O que fazer com as baterias usadas?

    Nissan e UFSC

    Foto: Marcelo Machado de Melo/ND.

    Está em teste no laboratório de Fotovoltaica da UFSC, no Sapiens Parque, em Florianópolis, uma solução para dar uma segunda vida às baterias usadas por carros elétricos.

    No último dia 02 de outubro, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em parceria com a montadora Nissan Motor Company, testaram o uso de baterias de segunda vida do carro elétrico LEAF para armazenar energia solar em postes de luz (que são equipados com painel solar fotovoltaico).

    O projeto começou a ser desenvolvido em 2018, através de um memorando de entendimento assinado pela Universidade e pela montadora; onde visa estudar soluções futuras para as baterias usadas em carros elétricos e na possibilidade dos acumuladores descartados levarem luz a locais sem rede pública.

    Com o foco de testar os postes de luz solar, que são compostos por painéis solares no topo e baterias do LEAF na base, foram instalados cinco destes no pátio do laboratório de fotovoltaica da UFSC para saber a potência da iluminação gerada por eles. Uma das grandes apostas do estudo é que no futuro esse tipo de poste possa ser uma solução de levar energia para as regiões não atendidas pela rede tradicional.

    Acordo Nissan e UFSC

    Marco Silva, presidente da montadora no Brasil comenta sobre a posição da empresa em relação às baterias LEAF, “o compromisso da Nissan vai além de vender o LEAF, temos o objetivo de incentivar as pesquisas e desenvolver o ciclo completo de vida do carro elétrico.”

    Recentemente a Nissan cedeu três novos conjuntos de baterias da primeira geração do LEAF para o estudo na UFSC; o modelo chegou a circular no Brasil como viatura policial e em frotas de táxis. Juntamente com outros seis cedidos anteriormente pela empresa, a universidade agora conta com nove para o estudo, por sua vez, cada conjunto conta com 48 acumuladores de energia.

    Os postes não utilizam cabos ou tomadas, desta forma, eles funcionam 100% independente do sistema de energia elétrica principal; só são alimentados pela energia solar.

    Demonstração Nissan e UFSC

    Demonstração mostra a capacidade das baterias usadas de veículos elétricos em aplicações do dia a dia. (Foto: Pipo Quint/Agecom/UFSC)

    Para mais informações, acesse: https://noticias.ufsc.br/2019/09/ufsc-e-nissan-testam-baterias-de-modelo-eletrico-para-armazenar-energia-em-postes-de-luz-solar/

     


  • Florianopolitano, doutorando em Engenharia de Automação e Sistemas representa a UFSC no Green Talents 2019 e conquista a premiação

    Publicado em 18/11/2019 às 11:01

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo 

    Marcelo Menezes Morato, doutorando em Engenharia de Automação e Sistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi um dos vencedores do prêmio Green Talents 2019, que ocorreu em outubro na cidade de Berlim, na Alemanha. 

    Green Talents

    O concurso tem como finalidade incentivar projetos nas áreas de sustentabilidade e meio ambiente; e foi criado pelo Ministério Federal da Educação e Pesquisa da Alemanha, em 2009.  Neste ano, comemora-se o 10° aniversário do programa sob o tema Smart Green Planet-Solutions for a Sustainable Future, onde contou com a presença de 837 participantes de mais de 97 países, dos quais 25 foram premiados. Os países que se destacaram por ganhar a primeira vez a premiação, foram: Camarões, Líbano, Marrocos e Papua Nova Guiné. 

    Marcelo Menezes Morato

    Foto: arquivo Marcelo Menezes Morato

    O projeto de pesquisa do florianopolitano Marcelo, de 24 anos, tem o foco no controle e na supervisão de microrredes renováveis baseadas na indústria de cana-de-açúcar brasileira. Na sua pesquisa ele também investigou como esta indústria poderia melhorar a sustentabilidade e a geração de energia no Brasil, por meio do uso de seus bio-resíduos (bagaço, palhiço e vinhaça) combinados a sistemas renováveis externos (painéis fotovoltaicos e turbinas eólicas). Com essa ideia se garante o aumento da eficiência e da sustentabilidade destes sistemas e ainda serve como planejamento estratégico para o desenvolvimento do país, dada a proporção da indústria sucroalcooleira.

    O brasileiro impressionou a banca alemã de especialistas com a sua prática para tornar a integração de fontes de energia renovável possível e menos propensa a erros. A Engenharia de Controle e Automação está se tornando cada vez mais importante para as matrizes energéticas do futuro, contando com fontes de energia diversificadas que projetam os sistemas de integração e coordenação destes geradores múltiplos.

    Marcelo não foi o único brasileiro a ganhar o prêmio nesta 10° edição, a pesquisadora de Vitória (ES), Luisa Cortat Simonetti Gonçalves Coutinho, doutoranda dupla titulação em Direitos e Garantias Fundamentais pela Faculdade de Direito de Vitória (FDV) e em Direito Internacional Ambiental pela Universidade de Maastricht (Holanda), também impressionou a banca do evento com o seu projeto de pesquisa que analisa iniciativas legislativas, privadas e corporativas para reduzir a poluição plástica dos oceanos.

    Na cerimônia de premiação, em Berlim, os 25 ganhadores foram homenageados no Ministério Federal de Educação e Pesquisa. O evento foi aberto por Michael Meister, secretário do estado parlamentar e contou com a presença de representantes das instituições participantes, membros do júri e da embaixada e outros convidados ilustres.

    Green Talents 0.2

    Pela primeira vez na competição, Camarões, Líbano, Marrocos e Papua Nova Guiné estão entre os países de origem dos vencedores (foto: arquivo Marcelo Menezes)

    Para mais informações acesse os sites abaixo:

    Green Talents 

    Notícias UFSC

    Revista Galileu 

     


  • CGA recebe Diploma de Reconhecimento da Câmara Municipal de Florianópolis

    Publicado em 11/11/2019 às 12:36

    No dia 21 de outubro (segunda-feira), foi realizado uma reunião ampliada na Câmara Municipal de Florianópolis, com a proposta de marcar a abertura da Semana Lixo Zero e um momento de homenagens às diversas iniciativas que acontecem na capital catarinense. 

     

    Foto geral

    Foto do evento com a presença da Professora Letícia Albuquerque, coordenadora da CGA

    A reunião e homenagem que se realizou na abertura da Semana Lixo Zero, foram proposições de dois vereadores, Vanderlei Farias (Lela) e Marcos Abreu (Marquito).

    A Coordenadoria de Gestão Ambiental (CGA) foi convidada ao evento e recebeu o Diploma de Reconhecimento por sua contribuição significativa ao crescimento do conceito Lixo Zero.

     

    Diploma de Reconhecimento a Coordenadoria de Gestão Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina

     

     


  • Consumo de Água na UFSC – Outubro/2019

    Publicado em 07/11/2019 às 16:22

    Outubro_2019

     

    Consumo de Água na UFSC – Outubro de 2019

    Por Eduarda Matté e Lidiane Mayer

    Em Outubro a UFSC consumiu 15.830 m³ de água ao custo total de R$ 260.102.
    O consumo representa uma redução de 15 % (- 2.795 m³) em comparação com o mês de Setembro. Desta forma, Outubro ocupa o posto de Agosto e torna-se o mês de menor consumodo ano de 2019, sendo este o menor consumo de água desde 2014. Além disso, comparando com o ano anterior, a UFSC apresentou uma redução de 35,6% (-8.756 m³), equivalente a R$ 124.340 a menos que o valor pago em Outubro de 2018.
    Outubro também foi o sétimo mês seguido com reduções de consumo comparado à 2018, representando uma economia de R$ 287.974 ou 30.579 m³. A redução em relação ao ano passado é resultado das ações de controle de vazamentos e monitoramento de consumo de água da UFSC. O período que compreende este faturamento de Outubro, corresponde com o período de início da campaha contra vazamentos, implementada pela CGA em Setembro de 2019, onde através de um canal via WhatsApp a comunidade acadêmica pode comunicar vazamentos pela universidade. Esta comunicação garante uma maior agilidade na resolução deste problema, resultando na diminuição do desperdício de água.

    As unidades consumidoras que tiveram as maiores reduções no consumo foram: Estação de Maricultura Bc. dos Coroas (-1249m³), NDI (-509 m³), Centro de Filosofia e Humanas 1 (-321m³), CCB MIP 1 (-220m³) e CCB Anatômico (-203m³).

    Em Outubro os locais que apresentaram maiores aumentos no consumo de água foram: Pavilhão da Eng. Mecânica (+375 m³), EFI (+344 m³) e Barra do Itapocu Baln. Barra do Sul (+290m³). Estes locais serão monitorados e os responsáveis contatados para verificação de possíveis anormalidades.

    Os números apresentados reforçam a necessidade da continuidade do monitoramento e campanhas de redução de consumo de água na universidade!!!

    O Hospital Universitário – HU em Outubro consumiu (10.655 m³) que corresponde a R$ 225.673, diminuindo o consumo em relação ao mês de Setembro em 21%. Comparado a Outubro de 2018 o HU teve uma redução de consumo de 9,5%.

    Saiba mais em Monitoramento do Consumo de Água.


  • Mestranda da UFSC recebe prêmio internacional por artigo sobre energia fotovoltaica

    Publicado em 01/11/2019 às 15:22
    Kathlen Schneider recebe Prêmio Student Awards da edição 36ª. Foto: divulgação

    Kathlen Schneider recebe Prêmio Student Awards da edição 36ª . Foto: divulgação

    Kathlen Schneider, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e pesquisadora do Laboratório Fotovoltaica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), recebeu o Prêmio Student Awards, na edição 36ª da Conferência Europeia de Energia Solar Fotovoltaica. 

    A premiação aconteceu no dia 13 de setembro de 2019, em Marseille, na França.  

    O artigo premiado de Kathlen faz parte de sua dissertação, onde estuda o modelo Cooperativista na Geração de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. O fato do projeto ser pioneiro no país, também foi algo que contribuiu para a premiação. 

    No Brasil foi implementado com a Resolução Normativa n° 687 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL); o modelo permite que as pessoas se unam para produzir a própria energia que consomem por meio de fontes renováveis. 

    Em caso de excedente, a energia pode ser injetada na rede de distribuição e proporcionar descontos ou compensações nas faturas. A mestranda comenta sobre, “Eu acredito e espero que, no futuro, muitas pessoas possam escolher de onde vem sua energia, e que seja de fontes renováveis.”

    O trabalho visou comparar o modelo brasileiro (que entrou em vigor em 2016) ao europeu; e foi redigido juntamente com Johanna Fink, Camila Japp, Paula Scheidt Manoel, Marco Olívio Morato de Oliveira e Ricardo Rüther – membros das instituições Confederação Alemã de Cooperativas, Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e Deutschu Gesellschaft Fur Internationale Zusammenarbeit (GIZ). 

    Além do artigo premiado a mestranda também foi uma das organizadoras do I Encontro de Mulheres na Energia Solar, realizado no dia 4 de junho, no auditório do Laboratório Fotovoltaica-UFSC

    Para mais informações acesse AQUI!


  • Minicurso “Gerenciamento de resíduos laboratoriais da UFSC”

    Publicado em 21/10/2019 às 9:26

    A Gestão de Resíduos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) organizou o minicurso “Gerenciamento de resíduos laboratoriais na UFSC – Campus Trindade”, que será no dia 31 de outubro, no Auditório do CSE.

    Lembrando que o minicurso é para os servidores e alunos da universidade envolvidos em atividades de gerenciamento de resíduos laboratoriais do Campus Trindade e demais interessados no assunto.

    72084799_2173175479654815_8089807172461920256_n

    As inscrições estão abertas até o dia 22 de outubro, para realiza-lá acesse AQUI!

     


  • UFSC cria sorvete como complemento alimentar para minimizar efeitos da quimioterapia em pacientes

    Publicado em 17/10/2019 às 17:53

    Através de uma pesquisa realizada no Hospital Universitário (HU), o programa de Pós-Graduação de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde (RIMS), criou um sorvete que age como complemento alimentar que minimiza os efeitos da quimioterapia em pacientes portadores de câncer, além de ser indicado para pessoas que precisam de alto valor proteico e calórico, como idosos e crianças sem apetite e atletas em alta performance. 

    Marcella-Di-Pietro-300x169

    Marcela Di Pietro, paciente que se beneficia do sorvete para combater sintomas do tratamento quimioterápico. (Foto: Divulgação)

    A pesquisa foi realizada em 2018, onde o sorvete foi servido em três sabores por um ano. Morango, limão e chocolate tiveram boa aceitação dos pacientes além de obter resultados positivos atestados pelos mesmos.

    As técnicas com fins terapêuticos utilizando gelos e as baixas temperaturas já estão sendo testadas e experimentadas há muito tempo. Começou quando os egípcios utilizavam substâncias geladas como métodos de analgésico e anti-inflamatório, e logo os gregos e romanos começaram a aplicar gelo e/ou neve em variados tratamentos médicos.

    Essas técnicas são chamadas de crioterapia, que deriva do grego Krios em junção com o termo Terapia, resultando no significado Tratamento com frio. 

    Quem coordenou a pesquisa foi a professora Francilene Kunradi Vieira, do Departamento de Nutrição da UFSC, e segundo ela a crioterapia é a base da pesquisa realizada no HU, “os principais desejos alimentares dos pacientes com câncer em quimioterapia são alimentos gelados e ácidos, e frutas”. Além do mais, a professora explica que o gelo favorece a salivação e reduz os efeitos colaterais provocados pela quimioterapia na boca, amenizando as feridas, aftas, mucosite e a sensação de boca seca.

    Outros responsáveis pela pesquisa foram os professores e pesquisadores: Raquel Kuerten de Salles e Paloma Mannes, pela UFSC e Marcelo Baracuhy, pelo YPY, empresa parceira do projeto.

    YPY Sorvetes Premium é mais que uma empresa parceira da pesquisa, é também a responsável pela fabricação do alimento. E a ideia é que o complemento alimentar traga os benefícios para a saúde, mas também que o paciente usufrua desse momento para aproveitar tomando o sorvete junto com a família.

    Recentemente, no dia 27 de setembro de 2019, foi assinado o contrato da propriedade intelectual com a YPY Sorvetes, que estabeleceu as normas e direitos relativos à comercialização do Pro Vita. O documento firmou, entre outros itens, o pagamento de royalties à UFSC em percentuais sobre as vendas, de acordo com o número de caixas comercializadas do produto.

    sorvete

    Para mais informações sobre o contrato firmado, acesse:

    https://noticias.ufsc.br/2019/09/ufsc-assina-contrato-que-garante-royalties-sobre-comercializacao-de-sorvete-como-complemento-alimentar/

    E para mais informações sobre o produto, segue os contatos abaixo:

    ypysorvetes.com.br

    (48) 4104-1003


  • Campus Araranguá recebe seminários sobre meio ambiente

    Publicado em 17/10/2019 às 13:45

    A Universidade Federal de Santa Catarina – Campus Araranguá receberá no próximo dia 31 de outubro o Seminário Meio Ambiente e Sociedade. O evento contará com debates e palestras a fim de estabelecer um diálogo a respeito das ameaças e perspectivas para o meio ambiente, principalmente na região de Araranguá.

    IMG-20191010-WA0009-720x1024

    As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do site: escola.alesc.sc.gov.br/evento?eid=1609