UFSC Sustentável
  • Bem-vindo!

    Publicado em 15/08/2018 às 16:34

        

        


  • Coleta Seletiva Solidária da UFSC

    Publicado em 11/10/2019 às 15:31

    Se você frequenta a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) já deve ter visto algum dos nossos coletores que ficam distribuídos na Instituição. 

    Lembrando que os coletores têm três compartilhamentos distintos, confira abaixo o que pode ser depositado em cada um:

    Azul (folhas de papel): folhas impressas, jornais, revistas, folhetos e embalagens de papel.

    Cinza (rejeitos e orgânicos): cascas de frutas, restos de alimentos, guardanapos, toalhas, lenços de papel molhados ou engordurados, sachês de chá, balas, chicletes, lápis, borrachas, fitas, etiquetas adesivas, papel metalizado como, embalagens de salgadinhos, bolachas e barras de cereal. 

    Verde (recicláveis): caixas de papelão, papéis de embrulho, sacolas plásticas, copos plásticos e de isopor, garrafas plásticas, latinhas de alumínio e caixas multicamadas como, caixas de leite e de suco.

    E atenção! Deve ser descartado apenas resíduos secos e limpos, de forma alguma deverão ser depositados vidros e lâmpadas nos coletores.

    email-est-com-site-gestao-756x1024

    Para obter mais informações sobre a coleta seletiva consulte a gestão de resíduos ufsc, nos contatos abaixo:

    gestaoderesiduos.ufsc.br/coletaseletiva 

    (48) 3721-4229

    (48) 3721-3836

     


  • UFSC sem plástico

    Publicado em 09/10/2019 às 11:51

    Por Évelyn Cazão / Estagiária de Jornalismo 

    UFSC sem plástico é um projeto de extensão que surgiu com duas alunas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), inicialmente pensado em auxiliar o programa Universidade Lixo Zero.

    38282351_1055834587908380_792896957646372864_n

    38405104_1055838327908006_7285729671914717184_n

    UFSC sem plástico teve seu início idealizado pelas alunas Isadora Bertoli, Graduanda em Nutrição e Lisiane Eble Heinzen de Liz, Oceanógrafa mestranda em Oceanografia. Com o foco nos resíduos gerados pelas cantinas na universidade. E depois de alguns levantamentos de dados importantes, foi criada a primeira campanha que teve grande repercussão na UFSC: Quanto custa o seu café?

     

    Quem foi convidada para ser coordenadora do projeto foi a Professora Juliana Leonel, que conta para a gente como foi o processo: “a ideia começou com as alunas, depois elas me procuraram para fazer parte de um projeto de extensão, mas assim, quando elas conversaram, me convidaram para participar, uma das coisas que eu pensei foi: eu trabalho com poluição marinha, que é uma das minhas linhas de pesquisa. E eu falei que ao mesmo tempo: a gente tá tão longe do ambiente universitário, a gente vai lá na praia, coleta material, publicamos nosso resultado em revistas nacionais e internacionais, e aqui dentro? Então para mim foi uma forma de começar a suprir uma necessidade que eu sentia, uma lacuna que eu percebia de estar na Universidade mas ao mesmo tempo estar muito distante da realidade da Universidade.” 

    Com o foco de ter uma equipe multidisciplinar, a graduanda em Engenharia Sanitária, Maria Eduarda Bezerra nos conta como funciona o projeto e como são divididas as funções: “a gente tem um grupo de trabalho de projetos onde todo mundo executa, mas quem puxa a frente são eles. A gente tem de RH que faz a gestão interna dos membros; a gente tem de comunicação que faz toda a parte de divulgação, parceria e comunicação; a gente também tem arte e criação, que cuida de toda a identidade visual do projeto, todas as artes, cartazes, tudo que tem nas redes sociais é desenvolvido por eles. Então tem uma interdisciplinaridade que ajuda muito a gente aqui dentro, cada curso linka algo aqui no projeto. Tá tudo ligado, não importa teu curso , “tu pode achar uma vertente dentro do projeto.” Há a possibilidade de aprender a ao mesmo tempo conviver com pessoas de outros cursos, “o objetivo é um só, mas a gente vê como mostra na prática a interdisciplinaridade” complementa a coordenadora Professora Juliana.

    67102080_1296290193862817_1406042825216229376_n

    Uma das conquistas do projeto é o Restaurante Universitário do CCA não oferecer mais copos descartáveis; no RU da Trindade já é costume não ser fornecido, mas no CCA era comum até março de 2019, desde essa data estima-se que cerca de 5.000 copos foram economizados.

     

    Além dos projetos nas cantinas, o UFSC sem plástico também conta com banco de copos para eventos, como relata a Graduanda em nutrição, Isadora Bertoli “A gente conseguiu através de doações de copos e esse banco está disponível para ser locado, digamos, para eventos; na verdade não tem nenhum custo,  então normalmente os eventos da UFSC são outro nicho que a gente percebeu que utilizavam produtos descartáveis. As pessoas compravam copos para oferecer para o Coffee Break dos eventos, agora tem a opção de pegar o banco de copos UFSC sem plástico. E com isso, a gente está em média, desde que a gente iniciou, evitando cerca de 300 a 500 copos por evento, só pelo projeto do banco de copos.”

    O foco do projeto não é só tornar as cantinas, Colégio de Aplicação, Empresas Juniores e Atléticas responsáveis por tudo isso e sim transformá-los em um veículo de conscientização ambiental. E o UFSC sem plástico também conta com cartilhas de como fazer um CA sem plástico, de como surgiu o próprio projeto e como você pode aplicar isso nas Universidades.

    Recentemente o projeto foi convidado pela segunda vez a palestrar nos Estados Unidos, sendo que da primeira vez receberam o prêmio de Inovação, na Universidade da Pensilvânia. Com o foco de representar a UFSC em nível global, também foram convidados esse ano para palestrar em Portugal.

    A Coordenadora Juliana Leonel, complementa mais sobre as expectativas do projeto, “A gente acredita que mudando o hábito das pessoas dentro da UFSC, elas vão levar isso adiante… Vão levar para casa, para a vizinhança; por isso que a gente está com esse projeto de extensão que está envolvendo a comunidade acadêmica mas também vai ser levado para fora da Universidade.”

     

    Lembrando que do dia 21 ao dia 25 de outubro, o UFSC sem plástico está organizando a Semana Lixo Zero. Para mais informações sobre a programação consulte as páginas do UFSC sem plástico, segue abaixo os contatos:

    https://www.facebook.com/UFSCSemPlastico/

    https://www.instagram.com/ufscsemplastico/?hl=pt-br

     


  • Consumo de Água na UFSC – Setembro/2019

    Publicado em 03/10/2019 às 12:56

    SETEMBRO - Consumo de água (3)

     

    Consumo de Água na UFSC – Setembro de 2019

    Em Setembro a UFSC consumiu 18.625 m³ de água ao custo total de R$ 313.887.
    O consumo representa um aumento de 12,69 % (+ 2.098 m³) em comparação com o mês de Agosto, mas o mesmo era esperado em função do retorno do período letivo da UFSC, a partir do dia 05/08. No entanto, mesmo com o aumento, o mês de setembro obteve o menor consumo de água da universidade entre os meses letivos de 2019! Comparando com Setembro de 2018, a UFSC apresentou uma redução de 23,3% (-5.662 m³), equivalente a R$ 58.362 a menos que o valor pago em Setembro de 2018.
    Este também foi o sexto mês seguido com reduções de consumo comparado à 2018, representando uma economia total de R$ 273.066, ou 29.227 m³ alcançados pela universidade. A redução em relação ao ano passado é resultado das ações de controle de vazamentos e monitoramento de consumo de água da UFSC, em especial no Centro de Desportos, que após ações de combate a vazamentos realizadas em Julho/2019 teve seu consumo regularizado pelo segundo mês seguido, com redução de cerca de 89% no volume faturado.
    Outros locais que tiveram grande redução no consumo foram: Reitoria II, Reitoria I, Almoxarifado Central e Pavilhão da Engenharia Mecânica.

    Em Setembro a unidade consumidora que registrou maior aumento no consumo foi a Estação de Maricultura na Barra da Lagoa, com aumento de 932 m³ em relação ao mês passado. Este consumo fora do esperado pode ser indício de vazamentos e os responsáveis já foram contatados. Outras unidades que mais aumentaram seu consumo foram: Colégio de Aplicação, Engenharia Civil Bloco V e Centro de Eventos.

    Os números apresentados reforçam a necessidade de monitoramento e campanhas de redução de consumo de água na universidade!

    O Hospital Universitário – HU em Setembro consumiu (13.481 m³), aumentando o consumo em relação ao mês de Agosto em 23,3%. Comparado a Setembro de 2018 o HU teve um aumento de consumo de 9,4%.

    Saiba mais em Monitoramento do Consumo de Água.


  • Planejamento Urbanístico da Universidade

    Publicado em 27/09/2019 às 15:41

    A disciplina de Direito Urbanístico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) chega a sua terceira edição da atividade de extensão que visa efetuar um plano diretor para cada região escolhida.

     

    Pedro-de-Menezes-Niebuhr_fundocinza-300x279-1

    Professor Pedro de Menezes Niebuhr

    A primeira edição foi no entorno da UFSC, em como transformar o entorno em um lugar sustentável; a segunda foi na região leste, no centro da cidade e a terceira é dentro do campus da UFSC.  A disciplina é ministrada pelo professor Pedro Niebuhr, que há três semestres passou por mudança na metodologia da matéria; o professor comenta o que causou essa mudança na disciplina: “o que levou a gente a fazer esse tipo de análise, com esse tipo de abordagem foi justamente desafiar os alunos a entender por eles próprios; ir atrás de onde ta a regra, onde tá o problema, entenderem o que seria melhor, o que poderia ser aprimorado e eles proporem alteração. É mais uma metodologia ativa que envolve o aluno na identificação do problema, na correção e na proposição de inovação, essa é a lógica.”

     

    O projeto todo é uma construção dos alunos, eles selecionam as melhores áreas para serem estudadas e elegem uma a cada semestre. Professor Pedro por sua vez, dá aulas introdutórias para expor alguns conceitos e algumas categorias que são importantes sobre Direito Urbanístico, questão de competências, legislação, plano diretor, normas de direito de construir, acessibilidade, mobilidade. “A gente faz um apanhado geral de alguns conceitos que eles vão precisar depois consultar, enfim, voltar e desenvolver; Organizo e sistematizo os eixos de abordagem de cada ponto” relata o professor.

    A ideia do último projeto (da UFSC), é conseguir um plano diretor para a Universidade que anos atrás foi discutido mas que segundo a informação do site oficial do plano diretor participativo, o projeto parou. “A gente percebeu que a gente ganharia possivelmente muito se a gente retomasse essa discussão, mas não só para construir qualquer plano diretor mas para elevar bastante o nível da organização aqui, de uso, ocupação e vida dentro desse campus.” Professor Pedro conclui explicando como o plano diretor que foi construído será apresentado para a reitoria da UFSC: “o produto que essa disciplina vai entregar vai ser só essa linha de sustentabilidade para UFSC e algumas diretrizes gerais. A nossa ideia depende da qualidade e parece que tá ficando muito bom. É tu protocolar isso, apresentar para a reitoria para que ela eventualmente analise se é pertinente ou não retomar isso, e que a gente torça para que ela goste deste entusiasmo e esse tipo de ideia, e reformule aquele grupo de trabalho e volte a discutir isso, essa é a nossa ideia”.

    6365a229a476538b9e445f5ee54fbeabc2dfc341

     

    Lembrando que a disciplina Direito Urbanístico pertence a grade curricular do curso de Direito e é optativa, sendo assim, qualquer estudante da universidade pode solicitar fazer a matéria. Para obter mais informações sobre a matéria consulte a coordenadoria do curso, segue abaixo os contatos:

    E-mail: direito@contato.ufsc.br 

    Telefones: (48) 3721-5604 / 3721-5603 / 3751-5601


  • Inventário Florístico do Campus Trindade

    Publicado em 26/09/2019 às 11:11

    O projeto Inventário Florístico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), surgiu em 2017, através da demanda do Plano de Logística Sustentável da UFSC (PLS). A atividade é sobre a manutenção das áreas verdes do campus; o plano foi construído participativamente, assim sendo uma demanda de toda a Universidade. É uma das metas do PLS, como relata Allisson Gomes Castro, biólogo que participa do projeto: “existem várias outras metas no PLS, mas essa é uma das que a gente via como maior urgência porque a maioria das árvores do campus já tem uma idade avançada, e alguma delas oferecem riscos para a comunidade acadêmica; Como a gente viu ano passado algumas árvores que caíram no caminho da BU e da reitoria, por conta de chuvas no mês de janeiro. E eventualmente, quando tem ventania ou chuvas muito fortes, tá sempre caindo uma árvore; então a gente decidiu unir o útil ao agradável, unir essa meta do PLS, para identificar bem as árvores do campus e também saber que elas estão oferecendo de risco ou não, para saber o que tem de nativo e exótica, para saber onde a gente pode replantar, substituir, e para isso mesmo a gente precisa conhecer elas.”

    O primeiro projeto no campus Trindade ocorreu em 2003, com o professor Pedrote que inventariou cerca de 300 árvores. Ele inseriu plaquetas de cimento, verde com marcação de cerâmica em diversas plantas da área. 

    InvFlo

    O segundo inventário surgiu através da aluna Câiane Paraguahy Olsen, como projeto do Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), em 2016. Ela conseguiu inventariar o total 1547 árvores, e encontrou em torno de 116 espécies no eixo central.

    O projeto atual abrange todo o campus Trindade (não incluindo o CCA), e embora o projeto do Professor Pedrote tenha sido o pioneiro, é o projeto da Câiane que está sendo levado como base para a atualização dos dados – escolheram o segundo inventário por conta dele já estar documentado. O professor Pedro Fiaschi, coordenador do Inventário Florístico explica como surgiu a ideia de dar continuação ao projeto de TCC da aluna de Ciências Biológicas: “quando surgiu o edital específico de sustentabilidade, o Allisson tinha ficado sabendo do projeto dessa aluna e entrou em contato comigo para ver se eu queria dar continuidade. Com o contato do Alisson, a gente estabeleceu essa colaboração e aí nós escrevemos uma nova proposta e submetemos o projeto para esse edital, para a gente dar continuidade ao levantamento. Esse projeto acabou adicionando novas atividades que não tinham sido feitas inicialmente.”

    Um dos objetivos do projeto é que as informações sejam acessíveis a todos, e que todo mundo tenha um contato maior com as árvores. A educação ambiental vem fazendo esse papel de propagação destas informações; através das plaquetas que foram colocadas nas árvores e do QR code, que conta com o mapa das árvores do campus do projeto da Câiane. Podemos contar também com algumas incursões a campus em forma de mutirão, Allisson conta mais sobre como essa ação será realizada para a comunidade: “a gente vai explicar como é que faz um inventário, depois como que se identifica uma árvore e por fim a gente vai publicar essas informações na forma de um livro digital ou físico; e na forma de cartilha também, para que as pessoas tenham acesso às árvores, aos usos dessas árvores e o papel ecológico que elas têm para a comunidade acadêmica.”

    O primeiro mutirão aconteceu dia 20 de setembro, às 9h, no Centro de Cultura e Eventos, no campus Trindade da Universidade Federal de Santa Catarina.

    WhatsApp Image 2019-09-26 at 11.10.00

     


  • CGA lança campanha de combate a vazamentos de água na UFSC

    Publicado em 25/09/2019 às 13:11

    As ações de redução no consumo de água na UFSC ao longo do ano de 2019 já resultaram em uma economia de 29.092 m³ para o período de Janeiro a Agosto, em comparação ao mesmo período em 2018. As ações têm por objetivo identificar vazamentos na rede de distribuição e solicitar as manutenções necessárias para evitar o desperdício de água.

    Entretanto, o monitoramento do consumo de água ainda é muito amplo e não é possível identificar com antecedência irregularidades no abastecimento da universidade.

    Atualmente, a comunicação de problemas com vazamentos e solicitações de manutenção é uma atividade de responsabilidade dos administradores de edifícios e demais servidores responsáveis na universidade com o Departamento de Manutenção de Predial e de Infraestrutura (DMPI), na qual dificilmente alunos e demais TAEs são envolvidos.

    Assim, a Coordenadoria de Gestão Ambiental lançou em Setembro de 2019 a campanha de combate a vazamentos na UFSC. A mesma conta com um canal de comunicação aberto a comunidade universitária para tratar de assuntos relacionados à gestão da água, esgoto e cursos d’água na universidade. Assim, avisos sobre vazamentos e demais sugestões podem ser também encaminhados para este canal pelo aplicativo de mensagens Whatsapp no número (48) 3721-4228.

    O canal de comunicação visa abrir espaço para toda a comunidade universitária participar da gestão de água na UFSC, reforçando que todos podem contribuir e ajudar a reduzir o consumo de água na universidade, facilitando a comunicação entre usuários e setores responsáveis pela manutenção. Caso você  se depare com algum vazamento pelo campus poderá enviar o seu relato e solicitação através do Whatsapp.

    Adesivos com informações do canal de gestão da água serão distribuídos nos principais locais de circulação e de uso da água.

     Adesivos de divulgação da campanha.

    O canal de gestão da água é uma iniciativa do Projeto de Extensão Plano Simplificado de Melhorias do Sistema de Abastecimento da Água e Conscientização para o Uso Racional da Água, de parceria da CGA e Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. Saiba mais sobre a campanha clicando aqui.

    Você faz parte dessa conta! Ajude a UFSC a reduzir o desperdício de água.

     

     


  • CGA Instala Projeto-Piloto de Barreira Ecológica

    Publicado em 16/09/2019 às 15:48

    No início de 2017, o morador da Região Metropolitana de Curitiba, Diego Saldanha, ganhou muita visibilidade ao apresentar nas redes sociais a sua ação de construção de uma barreira ecológica para impedimento da passagem de resíduos sólidos no Rio Atuba, região onde morou por toda a sua vida. Depois dessa divulgação, a ideia se espalhou e muitas pessoas seguiram seu exemplo. A Figura 1 ilustra o método criado por Diego:

                    Figura 1: barreira ecológica construída por Diego Saldanha no Rio Atuba                Fonte: https://www.greenme.com.br/informar-se/ambiente/6197-ecobarreira-mais-de-1-tonelada-de-lixo-do-rio

    A barreira é construída de forma simples: rede que envolve uma série de bombonas plásticas que flutuam, podendo acompanhar as mudanças do nível de água do rio, além de corda e estacas presas às margens para fixar a barreira. O material acumulado é retirado com uma coca de pesca.

    Inspirada nessa ação, a Coordenadoria de Gestão Ambiental (CGA) da UFSC propôs a instalação de duas barreiras ecológicas piloto, a primeira no Córrego Carvoeira (próximo à Biblioteca Central) e a segunda no Rio do Meio, próximo à Reitoria I, conforme Figura 2:

    Figura 2: localização das barreiras ecológicas no Campus Trindade

    O Campus Trindade da UFSC está inserido na Bacia Hidrográfica do Manguezal do Itacorubi. O principal curso d’água que atravessa o Campus é o Rio do Meio, que nasce na Costeira do Pirajubaé, formando então a sub-bacia do Rio do Meio, à qual todo o território do Campus está inserido e que também estão inclusos os bairros Pantanal, Carvoeira, Serrinha e pequenas parcelas dos bairros Córrego Grande e Trindade. A exutória dessa sub-bacia (ponto de menor altitude da bacia hidrográfica onde todo o escoamento superficial gerado no interior da bacia é drenado) encontra-se na fronteira nordeste da UFSC, onde o Rio do Meio recebe mais dois afluentes e passa a se chamar Rio Três Córregos. O Rio segue em parte retificado e em parte meandrado pelo manguezal até desaguar no Córrego Grande a poucos metros da exutória final da Bacia Hidrográfica do Manguezal do Itacorubi, na baía norte de Florianópolis:

    Figura 3: Bacia Hidrográfica do Itacorubi

    A área do manguezal do Itacorubi é um berçário natural de vida marinha e costeira, sendo protegida em Florianópolis por decreto municipal, declarando-a como Parque Municipal, sendo toda a Área de Preservação Permanente e não edificável. O parque está em transição de adequação com a lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Segundo o Instituto Mangue Vivo, o Manguezal do Itacorubi é o segundo maior manguezal urbano do país.

    A poluição por resíduos sólidos dos córregos é frequente, sendo visível a alta quantidade de materiais plásticos como sacolas e garrafas, bem como madeira e metais, dentre outros. O principal motivo é a disposição inadequada dos resíduos sólidos próximos aos córregos. Os resíduos, quando não são colocados em lixeiras e coletores convenientes, tendem a cair nos corpos d’água, principalmente em eventos de chuvas e ventos. A instalação das Barreiras Ecológicas no Campus Trindade tem por principal objetivo a conscientização da comunidade universitária quanto à problemática dos resíduos sólidos nos córregos. Além disso, é previsto retenção considerável dos resíduos sólidos, principalmente os plásticos, que por possuírem baixa densidade, costumam percorrer longas distâncias nos cursos d’água.

    Haverá coleta periódica dos resíduos acumulados, baseada no monitoramento diário das barreiras. Esses resíduos terão sua destinação correta, considerando a separação dos materiais recicláveis.

    A Barreira 1 foi instalada no dia 11/09 pelos membros da CGA envolvidos no projeto:

    Para fim de informar a comunidade acadêmica, uma placa de identificação foi instalada ao lado da barreira:

    Aproveitando a ocasião, também foi realizado um mutirão de limpeza deste trecho do Córrego Carvoeira, onde foram coletados materiais como papel, plástico, garrafas de vidro e metais.

    A segunda barreira será instalada no Rio do Meio ainda em 2019.

    Se você tem interesse em participar do projeto basta entrar em contato pelo telefone (48) 3721 – 4228 ou pelo endereço de email gestaoambiental@contato.ufsc.br.

    Referências:

    Barreira Ecológica: http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2017/01/morador-cria-barreira-para-evitar-que-poluicao-desca-rio-abaixo-no-parana.html.

    Manguezais de Florianópolis: http://www.clicrbs.com.br/sites/swf/DC_mangue/index.html


  • Pré-lançamento da websérie “Incluir-se: a acessibilidade envolve você”

    Publicado em 12/09/2019 às 15:06

    incluirse-216x300A websérie “Incluir-se: a acessibilidade envolve você” foi criada pela Coordenadoria de Acessibilidade Educacional (CAE/SAAD), da Universidade Federal de Santa Catarina. O seu seu pré-lançamento ocorrerá nesta sexta-feira (13), a partir das 17h. O evento será aberto ao público e contará com um coffee break comunitário e popular. 

    A universidade pública deve fazer jus a proposta prevista em seu nome, onde deve alargar o acesso a entrada e permitir a passagem de todos e todas que queiram estar nela; neste caso, é onde cresce a necessidade de evidenciar a diversidade que enriquece a instituição.

    Incluir-se é um projeto interdisciplinar que vem justamente com esse foco, ele é composto por vídeos curtos que aborda, a temática da importância de uma universidade mais democrática. 

    Para mais informações acesse AQUI!

     


  • Semana da árvore na UFSC

    Publicado em 12/09/2019 às 13:09

    Durante os dias de 16 a 20 de setembro será realizada a semana da árvore na Universidade Federal de Santa Catarina(UFSC). Serão atividades técnicas, sociais e ambientais que buscam transformar e reforçar na comunidade acadêmica o olhar sobre estes organismos imprescindíveis para a vida. As ações são promovidas pela Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC (CGA) e pela Sala verde. Todas as atividades são gratuitas e algumas fornecem certificação de participação.

     

    Confira a programação:

    Eu visto as asas da sustentabilidade!  

    De 16/09 à 20/09/2019 (segunda à sexta)

    Serão disponibilizadas com penas em formato de folhas feito de material reciclado e reaproveitado. Não deixe de fotografá-las e compartilhar nas suas mídias sociais usando a hashtag  #ufscsustentavel.

    Local: Biblioteca Central e Reitoria I

     asas-quadrado

     

    Plantio de muda de árvore nativa no campus e a pessoa em situação de rua no entorno da UFSC

    16/09 (segunda-feira)

    Participe deste momento, traga um lanche saudável para compartilhar com quem mais precisa. Vamos plantar e confraternizar à sombra da árvore da vida!

    Local: Sala Verde UFSC (piso térreo da Biblioteca Universitária, ao lado da PRAE)

    Horário: 14h30

     16_09-quadrado

     

    Plantas Medicinais e PANCs – Do Cultivo ao Uso Correto 

    17/09 (terça-feira)

    A compreensão de novas alternativas de alimentação que conversem com o sustentável e o ambiente. A oficina ocorrerá em espaço do jardim, levando uma coleção de plantas, trabalhando os cinco sentidos e degustação.

    Local: Sala Verde UFSC 

    Horário: 9h30 às 11h30.

    Clique AQUI! para se inscrever

    17_09-quadrado

     

    Roda do chá: compartilhando saberes, sabores e odores 

    18/09  (quarta-feira)

    Visa reunir os simpatizantes dos chás a fim de compartilhar saberes, sabores e odores. O hábito de beber chá é muito antigo. Os benefícios são inúmeros para a saúde e bem estar. Serão apresentados alguns aspectos relacionados ao histórico do uso de chás pela humanidade, e exemplos de plantas mais comuns e conhecidas com os respectivos usos.

    Local: Sala Verde UFSC 

    Horário: das 14h às 17h

    Clique AQUI! para se inscrever 

     18_09-quadrado

     

    Oficina de Ecocaderno com crianças do Projeto Mais Educação no Lar Fabiano de Cristo – Comunidade Monte Cristo 

    19/09 (quinta-feira)

    A oficina de ecocaderno é uma atividade da Sala Verde UFSC, que tem como fim a confecção de um caderno ecológico, gerando produto personalizado e consciente. São debatidos na oficina: os 5R’s (reaproveitar, reciclar, repensar, recusar e reduzir); reaproveitamento de materiais diversos (papéis, espiral, capas plástica, retalhos de tecidos, linhas, papelão); encadernação artesanal para confecção de ecocadernos, ecoblocos, ecoagendas e ecolivros de receitas.

    Local: Sala Verde UFSC 

    Horário: das 14h às 17h

     19_09-quadrado

     

    Mutirão de popularização do conhecimento da identificação botânica – a importância do inventário florístico do campus trindade da UFSC 

    20/09 (sexta-feira)

    Caminhada pelo campus trindade da UFSC para ensino de como ocorre a identificação arbórea e conversa sobre a importância ecológica e social das árvores.

    Local: Ponto de encontro em frente ao Centro de Eventos da UFSC

    Horário: das 09:00 às 12:00

    Para esta atividade não é necessário inscrever-se, basta estar na hora marcada na varanda do Centro de Eventos da UFSC.

     20_09-quadrado


  • Oficinas no espaço Sala Verde UFSC

    Publicado em 12/09/2019 às 12:49

    A Sala Verde na Universidade Federal de Santa Catarina(UFSC), surgiu em 2004 por conta de um edital do Ministério do Meio Ambiente que fez a proposta de criar por todo o Brasil espaços interativos, de educação e de informação socioambiental. Foram criados outros editais posteriormente a este de 2004, mas esse foi o que de fato abriu as primeiras salas verdes no território nacional. 

    Para a criação efetiva do espaço, um grupo de alunos de pós-graduação da universidade e que eram vinculado à Coordenadoria de Gestão Ambiental tomaram a frente do projeto, eles contavam com a UFSC como instituição mas também com algumas ONGs e até mesmo com a Secretaria Estadual de Educação.  

    Durante 15 anos de funcionamento da projeto na UFSC, ele já funcionou diversas maneiras; mas de modo geral o espaço desenvolve projetos, ações e/ou apoia projetos de outras pessoas e ONGs, seja em parceria com a Coordenadora de Gestão Ambiental ou com entidades externas.

    A bióloga e coordenadora do projeto, Marlene Alano Coelho Aguilar, explica sobre como os projetos estão funcionando: “atualmente nós temos alguns projetos e ações que estão em desenvolvimento; um projeto que está bem a linha de frente das nossas ações é o projeto Oficinas para uma vida melhor, esse projeto é aberto para todos aqueles que queiram partilhar o seu saber, assim oferecendo uma oficina como voluntário.” A oficina aceita que qualquer pessoa ofereça a aula, desde que esteja dentro do tema principal que é ações para uma uma vida melhor. Com essa proposta, diferentes oficinas estão acontecendo. Durante todas as segundas-feiras do mês de setembro por exemplo, podemos contar com a Oficina de fios, que é com o foco de ensinar as pessoas a fazer crochê e tricô; Na próxima semana estará acontecendo a Oficina das PANCs, que são sobre as Plantas Alimentícias Não Convencionais; A oficina Resinificando objetos do passado, onde o objetivo é dar uma nova utilidade para os objetos que já se tornaram obsoletos para o seu inicial. A Sala Verde disponibiliza outras oficinas, como: costura de mão, alimentação saudável,ayurveda, yoga, entre outras. 

    Outro projeto que tem uma grande repercussão na universidade é o aColhida Verde, onde é permitido usar o canteiro da Sala Verde para plantar, cuidar, colher e levar mudas para casa. A coordenadora comenta um pouco mais sobre esse projeto, “às vezes tem pessoas que gostam de plantar mas não tem onde plantar, então pode vir plantar nesses canteiros aqui.”

    A maioria das oficinas ocorrem por um determinado tempo, mas há uma oficina que é permanente, a Oficina de Ecocadernos que é oferecida pela própria Sala Verde. Ela ocorre pelo menos duas vezes ao mês, para ensinar os participantes a como fazer o seu eco caderno, depois desse período de aprendizagem a pessoa pode ir no horário de almoço das terças e quintas, e nas terças-feiras das 17h às 19h, para confeccionar seu próprio caderno.

    Lembrando que todas as oficinas são abertas ao público em geral, tanto para a comunidade externa quanto interna. “Nós pertencemos a pró-reitoria de extensão, a sala verde é um espaço da pró-reitoria de extensão então como tal nossa vocação é a extensão, então nós prezamos por levar ao público” explica a Marlene. “A gente procura está mantendo uma parceria com a comunidade externa e nós estamos sempre muito abertos para receber, fazer de um espaço que está aberto para receber o público externo, então eles são muito bem vindos, vem turma do sul da ilha, do norte, para participar com a gente aqui e a gente recebe essas turmas. A gente não tem muitas pernas para ir, sair da UFSC, nós nos propomos a recebê-los porque nós não temos transporte, a sala verde não tem um carro e a universidade não é fácil de fornecer um transporte para que a gente vá fora da universidade fazer uma atividade dessas, então a gente abre o espaço para essa parceria” complementa.WhatsApp Image 2019-09-12 at 12.42.26

    Para mais informações sobre as oficinas que estão disponíveis no momento, acesse AQUI!

    Se deseja ser voluntário/oficineiro, clique AQUI!

     

    Lembrando que estão aceitando doações de encadernações de plástico com espirais, encadernações com capa dura e linhas de lã para as Oficinas de Ecocadernos. 

    Local de entrega: Sala Verde UFSC, térreo da Biblioteca Central, ao lado da PRAE.