UFSC Sustentável
  • Inscrições Semana do Meio Ambiente UFSC 2018

    Publicado em 25/04/2018 às 14:35

    Estão abertas as inscrições para a Semana do Meio Ambiente 2018:

    *Inscrições mesas-redondas (29 de maio):
    goo.gl/VQzk5E
    *Inscrições oficinas:
    goo.gl/wYn7hS
    *Inscrições visitas técnicas:
    em breve

    A programação completa do evento em breve.


  • TV UFSC ganha Prêmio de Jornalismo Ambiental

    Publicado em 20/04/2018 às 11:42

    A TV UFSC, através da reportagem “Agricultura Urbana em Florianópolis” do aluno de Jornalismo Vitor Sabbi, ganhou o 9º Prêmio Unochapecó/Caixa de Jornalismo Ambiental na categoria Estudante e mídia Televisão. O boletim expõe os benefícios da agricultura urbana em Florianópolis, com ênfase nas políticas públicas que já estão sendo colocadas em prática. O tema da premiação era “Meio Ambiente e Produção de Alimentos”.

    O estudante Vitor Sabbi recebeu a homenagem na sexta-feira, dia 06 de abril, em Chapecó. As oito reportagens vencedoras entre as 90 inscritas do sul do Brasil estão disponíveis no site da Unochapecó.

    Confira a reportagem na íntegra e mais informações no site da TV UFSC.


  • Semana do Meio Ambiente UFSC 2018

    Publicado em 12/04/2018 às 13:00
    A Semana do Meio Ambiente 2017 foi um sucesso em participação e em 2018 não será diferente.
    De 28 de maio a 05 de junho, abordaremos os temas mais votados por vocês:1) Saneamento Básico, 
    2) Implantação da Sustentabilidade em Campus universitário;
    3) Eventos Extremos da Natureza e Mudanças Climáticas;
    4) Tecnologias Verdes.

    RESERVE A DATA!   

    Interessados em apoiar, patrocinar ou divulgar o evento: gestaoambiental@contato.ufsc.br


  • Febre Amarela

    Publicado em 01/02/2018 às 11:31

    O que é a Febre Amarela?

    A febre amarela (FA) é uma doença infecciosa viral grave. Seu nome vem dos sintomas característicos em casos graves (febre alta e cor amarelada dos olhos e pele, atribuído à icterícia) e os mosquitos infectados com o vírus são os transmissores. A ocorrência da febre amarela tem maiores chances no período de dezembro a maio, devido à associação de temperaturas altas com chuva frequente, o que favorece a reprodução e proliferação dos mosquitos vetores.

     

    Existem tipos de Febre amarela?

    A febre amarela possui dois ciclos de transmissão com hospedeiros diferentes. No ciclo considerado silvestre, devido à ocorrência unicamente em área rural, regiões perto de rios ou em florestas, os macacos são os principais hospedeiros e vítimas, sendo os vetores mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes infectados.

    No ciclo urbano o homem é o hospedeiro, sendo o vetor mosquitos de hábitos urbano infectados, predominantemente o Aedes aegypti. Sendo ele também transmissor das doenças virais Zika, Chikungunya e Dengue.

    A febre amarela urbana não acontece no Brasil desde 1947, contudo se um mosquito Aedes Aegypti picar uma pessoa contaminada, este passa a ser transmissor e há o risco de epidemia nos centros urbanos. Portanto, ressalta-se a necessidade de eliminar os locais propícios a reprodução do mosquito.

    É importante salientar que não ocorre transmissão direta homem-homem ou macaco-homem, ou seja, macacos não transmitem febre amarela para o homem. A transmissão viral ocorre exclusivamente por mosquitos transmissores infectados.

    Alguns primatas da mata atlântica são considerados animais sentinela da febre amarela, uma vez que em geral são os primeiros infectados por esta doença, sinalizando a presença do vírus, o que facilita a tomada de medidas preventivas de forma rápida pelas autoridades. a perseguição, caça e morte de espécies da fauna silvestre é considerada crime, além de não ser uma medida de combate ao vírus.

     

    Como prevenir?

    Os principais mecanismos de prevenção e controle da doença urbana são a vacinação e evitar a proliferação do mosquito Aedes, evitando-se água parada. As ocorrências do ciclo silvestre, por ser uma zoonose, possuem erradicação pouco provável, o que reforça a importância da vacinação dos residentes e visitantes de áreas com risco.

     

    Posso tomar a vacina? Ela está disponível no meu município?

    A vacina contra a FA é disponibilizada pelo SUS, sendo a vacinação rotineira em municípios com recomendação (ACRV), determinadas pelo Ministério da Saúde e podem ser conferidas no seguinte link: http://dados.gov.br/dataset/febre_amarela_acrv.

    Antes de se vacinar, é importante observar as contraindicações para a vacinação.

      

    Fontes:

    -http://www.mma.gov.br/index.php/comunicacao/agencia-

    informma?view=blog&id=2195

    -http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela

    -http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/febre-amarela/situacao-epidemiologica-dados

    – Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.  Febre amarela: guia para profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – 1. ed., atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018.

    – http://mosquito.saude.es.gov.br/febre-amarela

    – Informe nº 09 – Monitoramento do Período Sazonal da Febre Amarela Brasil – 2017/2018

    – http://g1.globo.com/bemestar/blog/doutora-ana-responde/post/qual-diferenca-entre-febre-amarela-urbana-e-silvestre.html

     


  • UFSC irá retirar as árvores exóticas do Bosque do CFH, Fazenda da Ressacada e Barra da Lagoa

    Publicado em 30/01/2018 às 10:39

    A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) irá retirar a  partir de fevereiro árvores exóticas não-nativas (eucaliptos, casuarinas e pinheiros) de três locais do campus de Florianópolis: no Bosque do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH), na Fazenda Experimental da Ressacada e na Estação de Maricultura Elpídio Beltrame, na Barra da Lagoa. Entre os motivos estão questões ambientais, de segurança e o cumprimento da Lei Municipal n° 9.097/2012, que determina a remoção e a substituição de árvores exóticas por espécies nativas até 2022. Nas áreas de retirada das árvores será realizado reflorestamento gradual com vegetação nativa.

    A reportagem  completa pode ser conferida no link:  http://noticias.ufsc.br/2018/01/ufsc-vai-substituir-arvores-nao-nativas-do-bosque-do-cfh-fazenda-da-ressacada-e-barra-da-lagoa/

     

     


  • Semana do Meio Ambiente UFSC 2018

    Publicado em 18/01/2018 às 9:05

    A Semana do Meio Ambiente 2018 da UFSC tem data marcada e queremos saber a sua opinião: qual tema de palestras você gostaria de ver?

    Vote na esquete abaixo preenchendo o formulário abaixo.

    https://gestaoambiental.typeform.com/to/tytyzT


  • Campanha Semana Sem Copo 2017

    Publicado em 19/12/2017 às 10:20

    A Campanha “Semana Sem Copo” aconteceu nos dias 13 a 19 de novembro, uma iniciativa dos alunos de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSC em parceria com o Centro Acadêmico Livre (CALESA) e a Empresa Júnior (EJESAM) do curso, que conta com o apoio da Coordenadoria de Gestão Ambiental (CGA/UFSC) e das lanchonetes do CTC.

    A UFSC consome mais de um milhão de copos a cada ano – em 2016, 831 mil copos de 180 ml e 321 mil copinhos de 60 ml (café), o que equivale a mais de duas toneladas. Pequenas ações fazem a diferença.

    Apesar da semana já ter passado, que tal ficar sem usar copos descartáveis o máximo de tempo possível?

     

    Ejesam UFSC 

    Calesa UFSC

    Vídeo da Campanha Semana Sem Copo 2017 aqui

    Se você quer saber mais sobre o que foi falado no vídeo:
    * eCycle, aqui
    * Lixo: reciclagem e sua história, aqui
    * ONU, aqui
    * Plano de Logística Sustentável UFSC, aqui
    * The New Plastics Economy, aqui


  • UFSC participa do RANKING GREEN METRICS

    Publicado em 18/12/2017 às 11:24

    O Ranking tem como objetivo fornecer o resultado de uma pesquisa on-line sobre a condição atual e as politicas relacionadas à Sustentabilidade nas Universidades de todo o mundo. Em 2017 a Coordenadoria de Gestão Ambiental, realizou a pesquisa em nome da UFSC. Participaram da pesquisa 74 países e apenas 17 universidades brasileiras.

    A pesquisa analisou seis itens: configuração e infraestrutura, energia e mudança climática, desperdício, água, transporte e educação. Cada um dos itens possuía diversas perguntas que tem como objetivo analisar a universidade, entre elas: porcentagem de orçamento universitário em um ano para a sustentabilidade, produção de energia renovável no campus em um ano, implementação do programa de conservação da água, número de motocicletas que entram na universidade diariamente, número de publicações acadêmicas sobre o meio ambiente e sustentabilidade publicadas.

    Atualmente 619 universidades realizaram a pesquisa e a UFSC ficou em 462. Demostrando que em questão de sustentabilidade ainda temos muitos pontos para melhorar. Entre as universidades brasileiras ficamos na 12 posição e o primeiro lugar ficou com a Universidade Federal de São Paulo.

    Para visualizar o ranking por País, clique aqui.

    Objetivo do Ranking

    Realizar uma pesquisa sobre a condição atual e as politicas ligadas à Sustentabilidade nas Universidades de todo o mundo. O objetivo é atentar os lideres das Universidades ao combate à mudança climática, à conservação da energia e da água, à reciclagem do lixo e ao transporte verde e verificar quais medidas estão sendo tomadas quanto à esses assuntos. São coletados os dados e processados até chegar em uma pontuação, depois as universidades são classificadas de acordo com essa pontuação.

    Futuro desenvolvimento e melhorias no Ranking

    Os organizadores do Ranking receberam comentários que podem ser usados para aprimorar os próximos questionários.

    Outros Rankings

    Alem do Green Metric existem os rankings THES-QS, Webometrics e Shanghai Jiao Tong.

    Para saber sobre o Ranking Green Metric, acesse.

    Para acessar o Ranking completo, clique aqui.


  • UFSC contra o Aedes Aegypti

    Publicado em 18/12/2017 às 8:27

    A UFSC lançou no dia 23/11 a Campanha “UFSC contra o Aedes Aegypti”. A primeira ação foi a convocação dos alunos e servidores para participarem como agentes no combate ao mosquito causador da Dengue, Zica e Chicungunha. Os membros da Coordenadoria de Gestão Ambiental fizeram intervenções em salas de aula e setores administrativos e até o mosquito.  A iniciativa da Coordenadoria de Gestão Ambiental da UFSC visa ao combate às doenças associadas as Aedes Aegypti como transmissor, as ações marcam o inicio da campanha quanto a retomada dos trabalhos da Comissão de Combate à Dengue.

    Casos e ações preventivas

    O Ministério da Saúde acompanha os dados do último boletim epidemiológico que aponta redução de 90,3% dos casos de dengue; 95,3% de Zika e 68,1% de chikungunya em relação ao mesmo período de 2016.  Portanto, todos os esforços de prevenção e combate ao Aedes aegypti devem ser mantidos.

    A participação da população nesse processo é fundamental. Nenhum poder público pode enfrentar sozinho a eliminação dos focos do mosquito transmissor, Aedes Aegypti. O cuidado dever ser constante, em especial a eliminação de locais com água parada e criadouros com mosquito.

    A redução nos casos dessas três doenças, apontada no último boletim (maio 2017), pode ser atribuída a um conjunto de fatores, com a mobilização nacional contra as doenças e a maior proteção pessoal da população, a escassez de chuvas em determinadas regiões do país, o que desfavorece a proliferação do mosquito, e a proteção natural que as pessoas adquirem ao ter alguma das doenças em anos anteriores.

    Leia a matéria completa aqui.

    Boletim completo sobre os casos de dengue no Brasil em 2017, aqui.

    A Comissão de Combate à Dengue

    A Comissão de Combate à Dengue foi criada em 2015 e será reativa em dezembro de 2017. Informe sobre possíveis focos à Comissão pelos canais:

    E-mail 

    Facebook “gestão ambiental UFSC”

    Telefone (48) 3721-6104

    Use #UFSCcontraoaedes nas redes sociais

     

     

    Cobertura e informações

    Confira as fotos da intervenção do dia 23/11 no Facebook, aqui.

    Para o inicio do primeiro semestre de 2018, haverá novas intervenções, cartazes e materiais informativos.

    Leia a materia completa que saiu no noticias UFSC, aqui.

    Medidas preventivas podem ser acessadas nos no site da Fundação Oswaldo Cruz e no site da Vigilância Sanitária de Santa Catarina.

    Abaixo a materia que saiu na TV UFSC, sobre a Campanha UFSC contra o Aeds.

    Continue a leitura » »


  • UFSC participa do 2º Seminário de Sustentabilidade da ALESC

    Publicado em 18/12/2017 às 8:13

    No último dia 7 de Dezembro ocorreu o 2º Seminário de Sustentabilidade, promovido pela Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC), que teve como objetivo a apresentação de alternativas tecnológicas para o tratamento de resíduos, bem como subsidiar a sociedade para melhor entendimento das soluções possíveis.

    Na oportunidade, a UFSC foi convidada a apresentar alguns de seus cases ocorrem na Universidade como a Coleta Seletiva Solidária e o tratamento dos resíduos, apresentados pelo servidor Allisson Gomes Castro da Coordenadoria de Gestão Ambiental e Sara Meireles do setor de Gestão de Resíduos.